Um amigo de sempre e para sempre

Hoje, como ontem, há milhões de pessoas que fazem anos. Pessoas simples, pessoas endinheiradas, cientistas, artistas, políticos, celebridades. De todos esses milhões, hoje, só há um que conta. Só há um que consta da minha agenda que trago chegada ao peito. Faz hoje anos! Não sei precisar quantos. Sei que são um pouquinho mais que os meus. (mas isso que importa ?!).
É pai do João e da Susana. Está quase a ser avô da Sara. É irmão de um amigo que por estes dias faz um ano que partiu não se sabe bem para onde mas que todos os dias o sentimos bem perto de nós. Bem perto daquela parte de nós que sente, que em silêncio chora e que dele sente a sua falta.
Vermelho, como eu, na camisola (gloriosa) que veste. Mas verde na militância!
Ao contrário de mim, quando promete que vai escrever uma história, escreve mesmo. E escreve bem. E de uma forma vertical. Na escrita é repentista, como repentista era no futebol de salão, antigamente. Não mastigava o jogo. Um ou duas fintas e rematava pronto, certeiro e com qualquer dos pés.
E ao fim deste anos todos continua em forma. Em grande forma. Física e lírica. Basta ver como em Férias Deslizo veloz neste silêncio/Apenas o sussurro da neve, na passagem/pensamentos ausentes. Bonito, muito bonito Henrique! É, é o Henrique que faz hoje anos! Um amigo de sempre e para sempre. Parabéns, meus caro! E um grande, grande abraço!

1 comentário:

gaviao disse...

So a gentileza de um grande amigo, para alegrar ainda mais o meu dia.
Apenas duas ressalvas.
Quem vem aí é uma Sara, não Inês!
A segunda ressalva, sempre necessária nos tempos que correm. Tanto eu como o Manuel, somos dois "machos latinos".
Trata-se apenas de uma enorme amizade, que vem do fundo dos tempos...indestrutível.
Um grande abraço
GED