Liberdade


A Ingrid Betancourt foi libertada. Uma dupla satisfação: A libertação, ela própria, e o facto de não terem sido as mãos (sujas) de Hugo Chavez a libertá-la. Desapontamento para os recém-amigos Hugo e Mário Soares...

3 comentários:

ged disse...

PORMENORES

Ingrid betancourt foi libertada. Uma satisfação que partilho.
depois... bem, depois vem a facadita desnecessária, mas pontual, na esquerda (as mãos sujas de Cavez).
O meu querido amigo Manel padece de terrível doença, muito comum nos dias que correm: se for um tipo qualquer perdoam-se alguns defeitos, mas se for um terrível facínora de esquerda então tem que ser santo. Porreiro pá!
Mas estamos a falar de quem, de que Chavez? Aquele que é anti-Bush? Aquele que o povo deserdado da Venezuela adora e que a poderosa oligarquia odeia? Aquele que é uma barreira ao imperialismo desmedido?
Se calhar não. por mim estou verdadeiramente desapontado que não tenha sido ele. mas que teve lá uma mãozinha, lá isso teve.
Não havia necessidade.
Toma e embrulha.
Um abraço
Henrique

manuelsampayo disse...

O problema, meu caro, não são os defeitos. São os feitios. E o feitio do Chavez não é propriamente o de um democrata... O facto de ser anti-Bush não lhe dá estatuto de democrata. Se assim fosse também Fidel, Mugabe e outros teriam esse estatuto. O facto de ter o povo ao dele (não sei se o tem. Veremos quando houver eleções livres, sublinho livres)também não lhe dá esse estatuto. Há exemplos históricos disso. Eu sabia que o Chavez tinha fans deste lado do Atlântico... Mas em que é ficamos Henrique: Partilhas a satisfação da libertação da Ingrid ou está desapontado por não ter tido a mãozinha (suja) do Chavez? As duas coisas não ligam lá muito bem...
Um abraço.

ged disse...

Mais uma vez.
Juntar Fidel e Mugabe no mesmo saco, só mesmo para chatear.
O que vale é que os amigos se perdoam.
Partilho ambas as coisas: a satisfação de ver Ingrid libertada e o desapontamento por não ter sido Chavez.
Partilho ainda algo mais importante: ter amigos com outras opiniões, que se podem expressar livremente, ainda que eu saiba que não é de todo verdade o que dizem.
Um abraço
Henrique